Confira abaixo o artigo completo do diretor da DVF – Durval Vieira de Freitas, no Jornal A Tribuna do dia 04 de julho de 2017.

O Espírito Santo receberá no período de 2017 a 2021 investimentos superiores a R$60 bilhões para instalação de novos projetos e manutenção dos existentes, sendo que mais de 70% serão aplicados nos setores de petróleo e gás e indústria naval.


Somente a Petrobrás investirá entre 2017 e 2020 cerca de R$32 bilhões, valor 45% superior ao investido entre os anos de 2012 a 2016. A Shell investirá R$ 5 bilhões na exploração de petróleo e gás. Outros grandes projetos previstos são o Porto Central (parceria com o Porto de Roterdã, Holanda), em Presidente Kennedy; e o porto da Imetame, em Aracruz, que mudarão o perfil da área portuária do Estado, colocando-nos em condições de receber todo tipo de navios de carga.

As grandes empresas instaladas – como Arcelor Mittal Tubarão, Vale, Petrobrás, Samarco, Fibria e WEG – compram para operação mais de R$1 bilhão por ano, entre bens e serviços, que demandam todos os setores da economia que compõem a cadeia de abastecimento. Elas demandam fornecedores de fabricação de equipamentos e componentes mecânicos, de serviços de manutenção industrial, engenharia e gerenciamento de projetos, meio ambiente, tecnologia da informação, transporte de pessoas e cargas, gráficas, lavanderia industrial, limpeza industrial, segurança, consultoria contábil, jurídica e empresarial, entre outras.

As empresas capixabas que investiram em conhecimento, gestão e inovação estão conseguindo atravessar o momento difícil que passava a economia. Atualmente mais de 50% do faturamento dos fornecedores de bens e serviços decorrem de contratos realizados em outros estados brasileiros. Entretanto, verifica-se que existe muito a conquistar, em especial no mercado interno. É necessário conhecer, em detalhes, o que as grandes empresas compram ou pretendem comprar e investir. Os fornecedores locais já demonstraram que quando são dadas oportunidades, eles procuram parcerias, se capacitam e participam em igualdade de condições com qualquer outra empresa nacional ou internacional.

Esforço nesse sentido foi iniciado com o Fórum Capixaba de Petróleo e Gás junto à Petrobrás e ao Centro Capixaba de Desenvolvimento (CDMEC) em parceria com a Arcelor Mittal Tubarão. Esse trabalho precisa ser aprofundado e estendido às outras grandes empresas investidoras.

Na 10a edição da Mec Show, feira do setor metalmecânico e do petróleo que será realizada em julho, esses assuntos serão debatidos com o objetivo de mostrar a competência local e buscar novos dados e informações desses investidores.

Presenças de empresas de outros países, como Canadá, México, Argentina e Colômbia, além de representação das principais entidades dos setores de óleo e gás, metalurgia e mecânica e de instituições de ensino estão confirmadas.

O Espírito Santo ocupa somente 0,5% da área do território brasileiro e tem 1,9% da população, ou seja, precisamos aproveitar o mercado das grandes empresas aqui instaladas e desenvolver novos produtos e procurar novos mercados, no Brasil e exterior.

Para isso é essencial investir em educação, estimular o empreendedorismo, criar a cultura da inovação nas escolas e fornecedores, melhorar a gestão das empresas e praticar o associativismo, na certeza de que juntos faremos o Espírito Santo ainda melhor, propiciando o desenvolvimento com qualidade de vida para toda a sociedade. As oportunidades existem.